15. AVALIAÇÃO DA (DIS)FUNCIONALIDADE FAMILIAR DE IDOSOS EM MANAUS-AM

FERNANDA FARIAS CASTRO; JOAQUIM HUDSON RIBEIRO; ELENICE MIRANDA MORAES; ORLANDO GONÇALVES BARBOSA; MARIA NAZARÉ RIBEIRO; BEATRIZ FARIAS YAMADA; SELMA BARBOZA PERDOMO; CLEISIANE XAVIER DINIZ; ELEN ROSE MUNIZ; ELEN FATIMA SOUZA. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS(UEA), MANAUS - AM - BRASIL.

Introdução: A relevância de pesquisas com indivíduos que envelhecem têm se revelado de grande importância no meio científico, especialmente quando se trata das relações que ocorrem no seio da família quanto à sua funcionalidade, para desenvolver um planejamento assistencial adequado ao idoso, o que implica no conhecimento das questões que envolvem a formação e a dinâmica de funcionamento das famílias em geral (TORRES et al.,2009). Objetivo: avaliar a funcionalidade familiar de idosos residentes em Manaus. Método: trata-se de um estudo descritivo, com abordagem quantitativa, com amostra composta por 255 idosos, escolhidos aleatoriamente, provenientes participantes das atividades da Universidade Aberta da Terceira Idade da Universidade do Estado do Amazonas (UNATI-UEA). O instrumento utilizado foi o Adaptation Partnership Growth Affection Resolve - APGAR de família que avalia a satisfação do membro familiar com a assistência recebida quando recursos familiares são necessário. A pesquisa foi autorizada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) sob o nº 134/10. Resultados e Discussão: Constatou-se que 88,6% dos idosos relataram boa funcionalidade familiar, sendo que as variáveis que apresentaram disfunção moderada e elevada foram à renda familiar e a situação de moradia. Silveira, Caldas e Carneiro (2006) dizem que quando há disfunção familiar, as famílias podem ter sua capacidade assistencial prejudicada, em relação ao cuidado com o idoso, interferindo na qualidade de vida deste. Conclusão: O conhecimento da funcionalidade familiar é fundamental para o desenvolvimento de uma assistência adequada, visando melhor qualidade de vida e cuidado ao idoso e à sua família, assim como para o desenvolvimento de políticas públicas frente aos desafios do envelhecimento. Referências: ANDRADE, F. B., FILHAL, M.O.F., DIAS, M.D., SILVA, A.O., COSTA, IRIS, C.C., LIMA, E. A. R., & MENDES, C.K.T.T. (2010). Promoção da saúde mental do idoso na atenção básica as contribuições da terapia comunitária. Texto Contexto Enfermagem, 19 (1). KARSCH, U.M.(2003). Idosos dependentes: famílias e cuidadores. Cad. Saúde Pública, 19(3). MACIEL, A.C.C., & GUERRA, R. O. (2006) Influência dos fatores biopsicossociais sobre a capacidade funcional de idosos residentes no nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 10, 179-189. SILVEIRA, T.M., CALDAS, C.P., & CARNEIRO, T.F. (2006). Cuidando de idosos altamente dependentes na comunidade: um estudo sobre cuidadores familiares principais. Cad. Saúde Pública, 22 (8), 1629-38. TORRES, G.V., Reis, L.A., Fernandes, M.H., Alves, G.S., & SAMPAIO, L.S. (2009). Funcionalidade familiar de idosos dependentes residentes em domicílios. Aval Psicol, 8 (3), 415-23.