Angela Baiocchi

Angela Baiocchi

CURSO:"Famílias na resolução de conflitos psicojuridicos: Entre o admissível e o inevitável na co-construção de caminhos possíveis"
Psicóloga Clínica e Terapeuta de Famílias, Perita e Mediadora em Varas de Família, Professora e supervisora em Institutos de Formação de Terapia Familiar em Brasília, Goiânia e outros Estados.
Palestrante da Oficina de Pais do Tribunal de Justiça de Goiás.(2013-15)
Diretora e Supervisora do Grupo Conviver GEAAGO- Grupo de Apoio à Convivência Familiar e Adoção de Goiânia. Fundadora e ex-presidente da ATFAGO-Associação de Terapia Familiar de Goiás.
Mestre em Educação- PUC-GO, Especialista em Psicodrama Terapêutico e Sócio Educacional pela Federação Brasileira de Psicodrama FEBRAP, em Sociodrama Familiar Sistêmico- com Maria Rita d’Angelo Seixas.
Especialização em EMDR pelo EMDRIA e Instituto Iberoamérica Constelação Familiar pelo IHBC- Constelações Sistêmicas.
Co- autora nos livros: Jovens, Educação e Campos Simbólicos ( 2007) Estudos Sobre Jovens e Processos Educativos na Contemporaneidade (2008),Psicologia para Concursos e Graduação( 2011), Guia de Adoção no Jurídico, no Social, no Psicológico e na Família( 2014).

RESUMO:
A intenção deste Curso é apresentar trilhas aprendidas sobre a prática da clínica com famílias, casais e filhos em situações de litígios jurídicos. A interlocução dos sujeitos, das relações familiares e da psicologia com o ambiente forense requerem abordagens multidisciplinares e um jogo de papeis profissionais com recursos e habilidades para co-construirem novos manejos de comunicação, com todas estas sonoridades e desafios.
Pesquisamos recursos para cada território, para cada situação.
Buscamos mover das cenas pantanosas ou obscuras para territórios relacionais e sócio culturais com maiores possibilidades de sobrevivência dos vínculos de amor e lealdades.
Quando isto é possível? E se o desejo de transferir o poder familiar para a pena da lei oficial for tão perverso que negue o direito de ser feliz e ter paz?
Como conviver entre o admissível e o inevitável na co-construção de caminhos possíveis?
O grupo familiar pode se antecipar à decisão jurídica? Tem autonomia?
O profissional, a ética e o campo do “amor, da morte e das paixões”, como ficam?
Podemos utilizar de diferentes referenciais e ferramentas para gerar estados criativos e produtivos de resolução dos assuntos psicojuridicos familiares.
Zygmunt Bauman analisa a sociedade atual demonstrando a instabilidade das relações líquidas, rápidas, mutantes e dominadas pelo materialismo consumista.
O direito de família brasileiro acelera mudanças e adequações onde agrega visão multidisciplinar particularmente sob a ótica das teorias sistêmicas. A teoria da ação dramática de Moreno, assim como Paul Watzlawick sugerem intervenções simples no momento aqui e agora.
Neste curso vamos mostrar como entendemos e co-construimos esta prática.